segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Manuais não tão práticos assim


O Facebook sempre me presenteia com preciosidades blindadas do mais baixo da ideologia burguesa.
Mas essa foto ai acima, ganhou o post da vez aqui no blog.
Bom, sou mãe. Mas antes sou comunista. Até pouco tempo, sempre achei inviável ser mãe e comunista, e mais inviável ainda ser comunista dentro do capitalismo.
A bem da verdade, intenciono ser comunista, mas tem claro em mim os princípios e a moral revolucionária.
Mas, chega de delongas e vamos a tal fotinha.
Dentre as ideologias preferidas do capitalismo, as receitas prontas para tudo são sempre as preferidas. Receita pronta pra ser feliz, receita pronta para ter um bom emprego e ter sucesso profissional  Receita pronta para um excelente casamento e uma gozada inesquecível. Receita, receita e receita.
Mas, as que mais vejo na minha timeline do Facebook é como ser mulher, e já que para a ideologia patriarcal burguesa ser mulher é sinônimo de ser mãe (é meus caros e minhas caras, a gente sabe a pressão que é para ser mãe).
Então, chegamos no que eu tenho pensado hoje e gostaria de compartilhar.
Na foto acima, existem 8 dicas sobre como criar um delinquente. Altamente ideológico e imbecil ao mesmo tempo. Porque todos os especialistas sobre criminalidade juvenil, vão situar esse problema no marco da desigualdade social e das pressões estruturais de sucesso e poder, que vai ter uma força muito grande nos jovens e principalmente nos jovens pobres, que cedem a pressão por possuírem uma formação pessoal que não os instrumentaliza para buscarem estratégias de subversão dessa ordem,
Tudo bem, já que as pessoas não são obrigadas a entenderem de criminologia e nem de sociologia, vamos discutir esses 8 pontos e desconstruir esses mitos - receita.
Ponto 1: Quem tem disposição epistemológica de ver a televisão e sua programação seja aberta e fechada, desde os comerciais até os programas, vai ver que o que a mídia mais faz é estimular as crianças e os jovens ao consumo desnecessário. Primeira contradição, porque se não podemos satisfazer os desejos de nossos filhos, porque existe dia das crianças?
Ponto 2: Desde quando falar palavrão é sinal de desrespeito? Tinha pensado que 22 anos de ECA sem sua efetiva implantação fosse desrespeito. Mas, essa coisa com o palavrão é muito da burguesia. Afinal, esse palavreado é coisa de pobre e de preto (sic), como nos ensinam as novelas e filmes (olha ai a TV linda e soberana nos enganando de novo).Bom, mas se o palavrão for no show de humor que só os burga vão, tá liberado.
Ponto 3: Achei esse ponto o mais cômico.  Desde quando existem regras em nossa sociedade? Oh gente, e a Avenida Brasil, que segundo o Fantástico,  é o verdadeiro retrato da sociedade brasileira (como coisa que o Brasil se resume ao Rio De Janeiro ficção da Globo).
Ponto 4: Own... esse ponto é muito meigo. Imagina, se filho de pobre faz bagunça. Meu bem, se ele tiver casa já é luxo, quiça brinquedo. Isso ai mais uma vez é coisa dos burga, mas relaxa meu bem...eles tem empregada e babá. E, neste caso isso deve ter sido pensando por alguma pseudofeminista que teve que liberar a mucama do seculo XXI e fazer a tarefa doméstica sozinha, e ai, precisa ensinar o filhinho leite ninho a limpar sua bagunça, porque é difícil trabalhar fora e dentro de casa, como nós mortais trabalhadoras.
Ponto 5: Esse me deixou em crise: há alguma diferença entre os programas de televisão? Porque o autor do texto da foto, supõe-se que haja. Mas, se alguém souber, por favor me avise.
Ponto 6: É, nesse ponto por um instante eu achei que talvez eu esteja sendo radical demais (como sempre me acusam), mas todos os programas em maior ou menor grau estimulam a violência e a opressão a mulher. Outro dia estava vendo o Jornal da Cultura (é, alguns dirão que é um Jornal Intelectualizado), e um dos temas das reportagens era o aborto. Haviam três homens na bancada, e a posição de todos foi: não pode legalizar o aborto, o que é preciso é ensinar a essas mulheres a se prevenirem e a se planejarem. Bom, na minha capacidade de inferência, isso é vulgarizar e violentar simbolicamente as mulheres. Ou você discorda?
Ponto 7: O gente, só quem vive fechado em seu mundo burguês e pequeno burguês pra achar que roubar é fácil. Se roubar fosse fácil, ao invés de ter tanto desempregado, o mundo teria uma legião de ladrões.
Ponto 8: Esse ponto fechou o texto da foto com chave de ouro: toda mulher que é mãe é ensinada que deve cuidar dos seus filhos como uma galinha ou uma leoa defende suas crias. E ai de quem discordar disso, logo é taxada de incompetente e de péssima mãe.  E isso, está ligado ao conceito de propriedade privada: minha família, meus filhos, meu, minha, meu, minha...

Não precisa de muito para perceber a jogatina que é o sistema em que estamos inseridos. Diz que ser puta é pecado, mas vende nas bancas de revistas manuais para as mulheres aprenderem a liberar sua porção PUTA (depilação indiana, unhas vermelhas que levam ele a loucura, posições do kama sutra, seja independente, como faze-lo ter uma incrível gozada, lingeries de dar água na boca dele, bumbum da fulana de tal que ele vai adorar...e por ai vai). Diz que não devemos roubar, mas prestigia a corrupção como única forma de ter sucesso e poder.
Cada dia que passo, sinto cada vez mais a necessidade de se libertar de tudo isso.
As vezes acho que mudar de cidade, mudar de amigos, mudar de ares me deixe menos sufocada, menos angustiada. Mas penso que não, afinal o capitalismo é uma caixa com gás inebriante que nos entorpece e nos envenena.
Ao acharmos que estamos caminhando para a felicidade, estamos nos matando e se matando: matando nosso amor, nosso sonho, nossa capacidade de sentir, nossa capacidade de pensar e de construir.

De alguma maneira há de ser possível, de alguma maneira há de ser possível.