quinta-feira, 22 de novembro de 2012

O simulacro de Salve Jorge!


O maior engodo da história!
Hoje, na palestra da noite, o professor da UERJ começou contando o por que a pacificação das favelas cariocas é um simulacro: porque faz algo supostamente (a PM e o Exercito dizem que expulsam os traficantes e bandidos, mas na prática ele levam atrás dele o crime de volta, numa nova roupagem), mas na verdade nada do que deveria ser feito acontece de fato - é uma simulação.
Disse, que no Alemão, depois da pacificação, a policia exigia que os comerciantes registrassem os traficantes, para que os mesmos voltassem pra favela como trabalhadores, e poderem traficar em paz. Que a PM e o Exercito, estão vendendo armas pros traficantes de Manguinhos na Baixada Santista, que chegam caminhões aos montes na favela, caminhões carregados de armas.
Que as pessoas ficam restritas as regiões que moram, por que cada canto da cidade tem seus donos. E que a única diferença é que no Morro manda o burguês através do traficante e na zona sul o burguês com o apoio do governo.
Depois da palestra, fiquei pensando, que coisa maluca é essa que acontece aqui no Rio de Janeiro. Não que em SP, não role a mesma ideologia e divisão entre as regiões da cidade, mas quando se é de fora fica mais fácil analisar.
Ouvindo o professor falar, fiquei impressionada com o tamanho da coisa, e pela primeira vez, pensei no impacto na subjetividade das pessoas uma novela como a Salve Jorge.
Como deve ser para as pessoas que moram no Alemão, depois de tudo que foi a ida do exercito para lá ver tamanha invenção!
E o pior, para as outras pessoas que não sabem de nada. As outras pessoas das outras comunidades que serão pacificadas, vão ver essas mentiras e pensarão que será assim também com elas. 
Quantas gurias não devem estar por ai se achando uma Morena a espera de seu Capitão, General ou sei lá o quê?
Outra coisa que fiquei pensando, é em como o Rio de Janeiro é uma farsa. Quer dizer, o Rio das novelas não é o Rio real que vi nesses dois dias.
É que nem SP do PSDB: só existe na campanha eleitoral a cada 2 anos!
O mais maluco disso tudo, é pensar que é um politica institucional e global de extermínio. Não existem mais muros, as coisas estão imersas no mesmo contorno: acha um motivo e bora exterminar - na Bahia, tem que matar os traficantes, no Rio é a mesma coisa, em Sp também, na Palestina os rebeldes (se pudessem diriam que lá também tem traficante, mas se não entra nem comida, como vão dizer que entra droga né mesmo).
Dessa forma, o capitalismo vai varrendo os indesejáveis do mundo: todos aqueles que estão entre eles (os malditos burgueses) e o lucro (maldito lucro).
E assim foi, e assim vai continuar sendo. Tem morrido uma média de 15 jovens por noite em SP, aqui no Rio isso já aconteceu. 
Não é por acaso que o alvo são jovens: desde a questão de diminuir a taxa de crescimento (vai ficar um abismo entre as crianças e os adultos fazendo com que a população diminua), até do ponto de vista subjetivo, estão matando as nossas possibilidades de mudança, que são as novas gerações.
Estamos vivendo imersos num grande engodo, e me pergunto quando vamos despertar criticamente para a realidade!
Mas não vamos esperar que o cantar da hora seja dado pelo opressor.
Reitero: só a luta nos liberta! Sempre!